A Angiotomografia de Artérias Coronárias você deve imaginar como é feita… Mas e o Escore de Cálcio?

O Escore de Cálcio nada mais é do que uma “foto” obtida através do aparelho de tomografia (tomógrafo). O scan desse aparelho obtém uma imagem do tórax, mais precisamente do precórdio, que é interpretada por um software que calcula o volume de cálcio existe depositado na topografia das principais artérias coronárias do coração. O Escore de Cálcio pode ser obtido isoladamente ou associado à Angiotomografia de Coronárias. Resumidamente, se o seu médico solicitou uma angiotomografia, o computador automaticamente irá calcular o Escore de Cálcio (“vem de brinde”).

Mas porque o seu médico quer ver se há Cálcio nas artérias coronárias?

Sabe-se que os processos inflamatórios (aterosclerose) levam ao depósito de cálcio nas artérias coronárias. Se o Escore de Cálcio vier acima de 0-100 , o seu médico poderá -em uma análise conjunta de fatores de riscos individuais- iniciar medicamentos que previnam a ocorrência de eventos cardiovasculares e estabilizem a progressão da doença arterial coronariana. Resumidamente, ele procura o cálcio para ver se há ou não indicação para o paciente usar medicações que evitem infarto!

Esse exame tem muita radiação ? Utiliza contraste ?

Nenhuma medicação ou contraste é injetado durante o exame, ao contrário da angiotomografia de artérias coronárias. No entanto, por ser obtido através do scan do aparelho de tomografia, o Escore de Cálcio envolve o uso de radiação, relativamente baixa, podendo a dose dessa radiação ser comparada ao screening realizado pelas mulheres através da Mamografia.

O meu Escore de Cálcio deu 0. Isso é bom?

Sim, essa é uma excelente notícia!!! Sabe-se que a doença aterosclerótica pode acontecer mesmo na ausência de calcificação das coronárias (placa puramente “gordurosa” – sem cálcio). No entanto, um escore de cálcio de 0 é o indício mais fidedigno de baixa probabilidade de desenvolvimento de doença coronária a longo prazo!

E se meu exame veio alterado ? Como interpretar ?

A interpretação dos dados deve ser feita pelo seu cardiologista de confiança. Por exemplo: você pode ser um atleta e ter cálcio nas artérias coronárias. Alguns estudos sugerem que isso pode ser, inclusive, um fator protetor em pacientes com esse perfil. Porém, via de regra valores alterados estão relacionados à doença coronariana, conferindo um risco cardiovascular conforme abaixo:

Escore de Cálcio de 0 Agatston: sem doença identificável;

Escore de Cálcio entre 1-99 Agatston: Doença leve;

Escore de Cálcio entre 99-400 Agatston: Doença moderada;

Escore de Cálcio > 400 Agatston: Doença severa;

——————————————————————————-

Texto escrito pelo Cardiologista: Dr. Pedro Henrique Pedruzzi Segato

CRM 37.112 – RQE 28231